As tradições de Gamogu – parte 3


As tradições de Gamogu – parte 3
   Yakub era pura satisfação, a gargalhada que soltava, do alto de seu cavalo, curvando a cabeça para trás em delírio, a cada espasmo do corpo de Jubyla, demonstrava sua concórdia com os motivos do Rei de Zentiegu que levaram ao julgamento e condenação da velha matriarca. Mas, a exceção de Galdaôgu, os outros chefes tribais apenas observavam o espetáculo, não deixando claro se concordavam plenamente com o veredito.
  
- Bom dia meu bom Rei - disse Jubyla, a velha matriarca, respeitada pelas cinco tribos de Zentiegu, os Forchao, os Chakorante, os Jogaten, os Jagolanos e, especialmente entre a gente da mais importante tribo da cidade, os Gibaloaten, da qual era membro e rival da mesma envergadura simbólica do rei.
   - A que devo a honra de presença tão ilustre no salão de audiências? - Inquiriu Galdaô, não sem demonstrar ironia. O rei e a matriarca eram primos distantes, como todas na tribo eram de alguma forma, mas, nesse caso, muito próximos pela importância de suas ancestralidades. Diz a tradição que Galdaô é descendente de Bosje e Jubyla de Deusra, verdade ou não, a tradição tinha o peso de crença.
   - É com honra e respeito que venho diante de Vossa Majestade comunicar uma reclamação que é não só da gente de nossa tribo, como também da maior parte da gente de toda Zentiegu - disse Jubyla, de joelhos, mas não respeitando a posição de olhos para o chão, a nova honraria estabelecida pelo pai de Galdaô que entendia que nenhuma criatura viva poderia pretender igualar-se a um rei, apenas Un.
   - Ora, antes de entrar na essência do assunto que me trazes, tomo como importante lembra-lhe do pecado que para qualquer súdito olhara para seu suserano sem autorização prévia.
   Jubyla continuou fitando seu rei, reconhecendo toda a pompa do salão de audiência, com todos aqueles delicados e elaborados tapetes pendurados por toda a parte, com a magnificência do trono, esculpido em mogno, com detalhes em mármore, bronze e ouro, com todos aqueles anéis dos mais variados metais e pedras, preciosos e semipreciosos.
   - Veja Balgan - disse o Rei, olhando para o chefe dos Forchao, respeitável como todo chefe tribal, de presença não tão marcante quanto a de Galdaô, mas diligente, perspicaz e confiável a ponto de ser o lugar-tenente do Rei. Alguém em quem se poderia confiar o posto mais importante da cidade sem a preocupação de ter o trono roubado na volta. - Essa é a petulância inaugurada por alguém chamada Deusra séculos atrás.
   - Sim, meu rei! - Respondeu Balgan da forma solene como sempre respondia aos questionamentos reais.
   - Bom, que apliquemos uma lição quanto a isso em momento posterior, diga a reclamação que tu alegas ser do povo em geral - prosseguiu Galdaô com tom irritado e visível enfado.
   - Meu Rei - continuou Jubyla - é preocupação do povo em geral a forma com que alguns senhores, especialmente os chefes tribais, reclamam o gado como seus e, por conseguinte, exigem do povo pagamento pela utilização da força motriz desses animais.
   - Creio que seja hora de demonstrar aos vossos súditos que os tempos hoje exigem mudanças Vossa Majestade - disse Yakub, com indisfarçado tom de interesse.
   A expressão no rosto do Rei ficou transfigurada, visível a todos que o questionamento era ainda mais impertinente que a postura da velha matriarca frente a figura real. - Com que petulância um súdito reclama das decisões de um senhor? - Levantou-se bruscamente. - Como, agora, as pernas comandam a cabeça?
   - Ainda que a analogia seja descabida - disse Jubyla imprudentemente - vale lembrar que, também sem as pernas, a cabeça nada é! Só o que solicito, em nome do povo, é que haja um julgamento a respeito da validade social do reclamo de propriedade do gado por parte dos chefes, porque o que percebo é que há um grande prejuízo à nossa sociedade.
   - Pois bem! - Disse Galdaô, fazendo um sinal aos guardas que, prontamente, aproximaram-se da velha matriarca - já que queres um julgamento, o terás! Guardas, levem-na para a masmorra!
***

Postar um comentário

0 Comentários